quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Cai a máscara! Governo de Minas revela, com repressão covarde, para quem governa.

Nessa quarta-feira, dia 12 de agosto, Belo Horizonte assistiu indignada a violenta e descabida repressão da Polícia Militar contra manifestantes de diversas entidades contrárias ao aumento abusivo das passagens do transporte público.
Há cerca de uma semana, o Ministério Público desautorizou o aumento abusivo devido a falta de argumentos consistentes que justificassem tal medida. Por sua vez, na calada da noite, um juiz autorizou a cobrança.
Em resposta ao aumento abusivo, parte da política de oligopólio dos transportes públicos em Belo Horizonte, diversos movimentos sociais organizaram um ato para o dia 12 de agosto. Às 17hs mais de 1000 manifestantes se reuniram no centro da cidade e logo após iniciarem uma caminhada pacifica contrária ao aumento, em direção à Prefeitura Municipal, foram impedidos de prosseguirem pela Av. Afonso Pena e foram obrigados a subirem a R. da Bahia. Nessa rua, sem qualquer aviso prévio, os manifestantes foram surpreendidos covardemente pela tropa de choque da PM, ação filmada por diversos cidadãos. Cercados e agredidos na altura da rua da Bahia, com tiros de balas de borracha, bombas de efeito moral, e agressões físicas, centenas de manifestantes foram feridos e muitos tiveram que se esconder nos estabelecimentos comerciais no entorno para se protegerem. Um grupo que se refugiou em um hotel, mas a sua inviolabilidade não foi respeitada pela PM que invadiu o local, impedindo a entrada e saída de pessoa, resultando na prisão de cerca de 50 manifestantes. 

Denunciamos a atitude criminosa e autoritária do Governo Pimentel (PT), a frente do Estado de Minas Gerais, responsável pelo comando da Polícia Militar em ter autorizado esse massacre a céu aberto contra jovens e trabalhadores que, indignados com a política de oligopólio praticada pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, organiza-se pacificamente contra mais um roubo sobre a população através do aumento injustificado das passagens em Belo Horizonte.
Essa atitude de intolerância e repressão descabida revela os laços de poder e dependência que tanto a Prefeitura de Belo Horizonte, quanto a Câmara de vereadores da capital e o Governo do Estado possuem com o cartel (leia-se máfia) das empresas de transporte na capital. Estas lucram milhões as custas dos trabalhadores(as), financiam campanhas eleitorais e influem nas votações contra a redução das tarifas e o controle da população sobre o transporte público.
Diante de qualquer manifestação popular que visa lutar por seus direitos, os governos revelam seu papel de instrumento da ordem burguesa e da criminalização da resistência e da luta social.
As agressões ocorridas nesse dia 12, certamente serão o estopim de mais manifestações estado a fora e revelam o quanto os partidos da ordem burguesa ( PT, PMDB, PSB, PSDB e outros) estão a serviço daqueles que exploram a população.
O PCB se solidariza com todos os companheiros(as) presos, incluindo dois militantes da União da Juventude Comunista (UJC). Exigimos a imediata libertação dos manifestantes e a punição das autoridades envolvidas nesse criminoso ato contra o direito de manifestação e a liberdade de expressão.
Pela suspensão do aumento das passagens!
Pelo Poder Popular!

Comissão Política do PCB-MG.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

I Seminário da Fração Universitária do PCB na região metropolitana de Belo Horizonte


 

A Fração Universitária do PCB na região metropolitana de Belo Horizonte, que compreende as células do PCB na UFMG e na PUC, além de militantes da UEMG e outras faculdades, realizou neste fim de semana, entre os dias 01 e 02 de Agosto, seu primeiro seminário conjunto. Com uma presença significativa de antigos e novos revolucionários, o debate girou em tornou das conjunturas local, nacional e internacional, com enfoque nos seu caráter político e econômico, e foi concluído após a elaboração coletiva de um calendário de lutas para o segundo semestre de 2015. 

Auxiliando nos debates, o seminário contou no primeiro dia com a presença de membros da coordenação nacional da corrente sindical Unidade Classista, além de representantes da União da Juventude Comunista e do Coletivo de Mulheres Ana Montenegro.
Entre os pontos de destaque do seminário, os camaradas reafirmaram o papel do governo federal em garantir a acumulação de riquezas dos capitalistas, através de políticas neoliberais, como retirada de direitos trabalhistas e o corte nos investimentos das áreas sociais, e a disposição do PCB em lutar pela superação do sistema capitalista.