segunda-feira, 30 de março de 2015

I Encontro de Construção da Chapa de Unidade da Esquerda - Eleições DCE-UFMG


Queremos convidar tod@s para participarem da nossa primeira reunião de construção de Chapa para as eleições do DCE-UFMG. Essa iniciativa parte da proposta de unidade da Esquerda para as eleições.


Por uma construção aberta, plural e democrática que configure a alternativa à atual gestão do DCE e à organização da Direita que vem se formando na Universidade.

Data: 31/03/ 2015
Horário: 17:30
Local: Praça de Serviços

quarta-feira, 25 de março de 2015

PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO: 93 ANOS DE MUITAS LUTAS


A trajetória do Partido Comunista Brasileiro (PCB), fundado em 25 de março de 1922, é parte constitutiva da história do Brasil. Se, na sua gênese, convergiram os ideais libertários do nascente proletariado, no seu desenvolvimento e consolidação foram sintetizados os processos de maturação de uma organização política que buscava (e ainda busca até hoje) conjugar em suas fileiras os mais destacados dirigentes das lutas dos trabalhadores e representantes da intelectualidade e da cultura brasileira. Quando se tornou um verdadeiro partido de dimensões nacionais, no imediato pós-guerra, o PCB revelou-se como a instância de universalização de uma vontade política que fundia o mundo do trabalho com o mundo cultural. Intelectuais do porte de Astrojildo Pereira (um de seus fundadores), Octávio Brandão, Caio Prado Jr., Graciliano Ramos e Mário Schenberg, entre outros, vinculavam-se a projetos e perspectivas que tinham nas camadas proletárias o sujeito real da intervenção social.

Se a história do PCB foi marcada por uma sistemática repressão, que o compeliu à clandestinidade por mais da metade de sua existência e que entregou ao povo brasileiro boa parte de seus maiores heróis do século XX, nem por isto o PCB foi um partido marginal. Ao contrário: da década de 1920 aos dias atuais, os comunistas, com seus acertos e erros, mas especialmente com sua profunda ligação aos interesses históricos das massas trabalhadoras brasileiras, participaram ativamente da dinâmica social, política e cultural do país. Por isso mesmo, resgatar a história do PCB é recuperar a memória de um Brasil insurgente, ao mesmo tempo premido pelas imposições do modo de produção capitalista e do imperialismo, para comprovar que só pode fazer futuro quem tem lastro no passado.

segunda-feira, 23 de março de 2015

7º Congresso da União da Juventude Comunista (UJC) - Etapa Estadual Minas Gerais


7º Congresso da União da Juventude Comunista (UJC) - Etapa Estadual Minas Gerais e Homenagem ao desaparecido político Nestor Vera

Realizada, no dia 21/03/2015, no SindiSep - BH/MG, a homenagem a Nestor Vera - militante comunista do PCB, desaparecido durante a ditadura militar. Nestor Vera foi desaparecido, em Belo Horizonte, em 1975. Lutou pela reforma agrária radical.

Omene Vera Martins, sobrinho de Nestor Vera, relatou a trajetória de luta do seu tio. Disse também que foi o torturador e assassino confesso Cláudio Guerra que executou Nestor Vera.

Foi entregue a medalha Dinarco Reis ao camarada Omene Vera Martins em homenagem ao centenário de nascimento de Nestor Vera.

Nestor Vera: presente na luta!

terça-feira, 17 de março de 2015

A adaga dos covardes, ou, O limite da imbecilidade direitista


15 03 17 Mauro Iasi Limites 
Um amigo libanês, pintor de primeira e bruxo militante, mostrou-me certa vez uma adaga em uma bainha de prata ricamente trabalhada com uma inscrição em árabe que ele traduziu. A frase alertava ao portador da arma que seria sábio quem não a desembainhasse, mas aquele que o fizesse não usando a arma seria um covarde.
A delicada conjuntura em que nos encontramos está cheia de blefes, o que torna difícil a análise. A direita ameaça com o impedimento da presidente, um ex-presidente ameaça colocar o “exercito” de outros para defender o seu governo, outro ex-presidente tece pendores democráticos e de respeito a legalidade enquanto seu partido conspira na direção oposta.
Como sempre, para superar a borbulha enganosa da aparência, é necessário descer às determinações de classe e aos interesses em jogo.

terça-feira, 10 de março de 2015

Clara Zetkin – Precursora na luta pelos direitos das mulheres



Muitas pessoas se perguntarão quem é Clara Zetkin. Foi uma política comunista alemã sumamente lutadora pelos direitos da mulher. Em uma época onde não tínhamos participação, com sua forte ideologia, enfrentou a sociedade por considerar elementar que o sexo feminino tenha presença na atividade política e os mesmos direitos que os homens trabalhadores. Propôs que no dia 8 de março se celebrasse o Dia Internacional da Mulher. Dedicou sua vida ao socialismo e conquistou a união de mulheres que compartilhavam esta doutrina nos diferentes países, com o claro objetivo de alcançar suas metas. Graças a suas convicções, orientou a direção de vários partidos da ala esquerda, foi influente para milhares de mulheres e uma grande líder política que também fez frente ao nacional-socialismo em sua postura ante a Primeira Guerra Mundial.